Conheça o revolucionário creme sintético de Melanina que promete proteger e curar a pele

Descoberta científica promissora oferece um novo aliado no cuidado com a pele, prometendo proteção e reparação contra os danos solares

Publicado 24/11/2023 às 16:26 por Alex Torres

Continua após a publicidade..

Longe dos holofotes e do burburinho das grandes inovações tecnológicas, um avanço significativo na área da dermatologia está prestes a mudar a maneira como tratamos nossa pele. Pesquisadores da Northwestern University lançaram as bases para um futuro onde nossa pele pode ser protegida e regenerada de maneiras nunca antes imaginadas.

Empregando o poder da biomimética, a equipe da Northwestern criou uma melanina sintética com a finalidade de replicar as propriedades regenerativas da melanina humana natural. Este complexo pigmentar sintético não apenas acelera a cicatrização de feridas quando aplicado topicamente, mas também oferece uma proteção extra contra o sol e os efeitos nocivos dos poluentes ambientais.

Uma arma contra os radicais livres

A chave para o sucesso deste novo creme reside em sua habilidade ímpar de neutralizar os radicais livres, que são subprodutos nocivos do estresse oxidativo na pele lesionada, como queimaduras solares. A ausência de um controle eficaz desses radicais pode levar ao envelhecimento da pele e até ao câncer de pele. A revista npj Regenerative Medicine foi a plataforma que trouxe à luz essa descoberta promissora.

Continua após a publicidade..

O bronzeado como escudo

A melanina que oferece pigmentação à nossa pele, olhos e cabelos, cria um escudo natural contra os danos solares, intensificando sua cor em resposta à exposição solar – processo que popularmente chamamos de bronzeado. Mas além do visual estival, essa mesma pigmentação trabalha diligentemente para eliminar os radicais livres como resposta à poluição ambiental.

Dr. Kurt Lu, da Northwestern University Feinberg School of Medicine, explica que a vida cotidiana, com sua exposição constante ao sol, representa um ataque contínuo à saúde da nossa pele. Enquanto caminhamos sob o sol, especialmente durante o verão ou no auge do meio-dia, nossa pele enfrenta uma batalha silenciosa contra os raios ultravioleta. A pele não protegida envelhece mais rapidamente, contrastando com a pele resguardada por roupas.

Super melanina e o caminho da cura

Ao desenvolver nanopartículas de melanina sintética com estrutura modificada, a equipe de pesquisa aumentou sua capacidade de erradicar radicais livres. O co-autor correspondente, Nathan Gianneschi, destaca a eficiência dessa melanina superpotente: biocompatível, degradável, não tóxica e transparente quando aplicada na pele. A capacidade do composto de atuar como uma esponja protetora para a pele é notável.

Teoria inovadora em prática

Os cientistas, que estudam a melanina há quase uma década, inicialmente testaram a melanina sintética como um protetor solar. Os resultados foram além do esperado, protegendo a pele e também auxiliando na recuperação de lesões cutâneas. Dr. Lu vislumbra o uso da melanina sintética como um reforço em protetores solares e um componente ativo em hidratantes para promover a reparação da pele.

Interrompendo o ciclo inflamatório

Gianneschi e Lu descobriram que o creme de melanina sintética, ao absorver os radicais livres após uma lesão, acalma o sistema imunológico. Esta ação permite que a pele inicie um processo ativo de cura, ao invés de permanecer em um estado inflamatório.

Estudos futuros e aplicações

woman in white tank top

A pesquisa, apoiada tanto pelo Departamento de Defesa dos EUA como pelos Institutos Nacionais de Saúde, não se limita ao uso dermatológico. A melanina sintética também demonstrou habilidade em absorver metais pesados e toxinas, incluindo gases nervosos, sugerindo aplicações adicionais, como tecidos absorventes de toxinas.

Com ensaios clínicos no horizonte e estudos iniciais apontando para a não irritação da pele humana, espera-se que o creme de melanina sintética possa em breve ser uma opção de tratamento para queimaduras de radiação e auxiliar pacientes com câncer submetidos à radioterapia.

Referência Científica

O artigo intitulado “Aplicação tópica de melanina sintética promove reparo tecidual”, publicado em 2 de novembro de 2023 na npj Regenerative Medicine, é uma das referências que detalham essa descoberta. Sob o DOI: 10.1038/s41536-023-00331-1, o estudo representa um marco na regeneração e proteção cutânea.

Empregamos cookies indispensáveis e tecnologias correlatas, conforme nossa Política de Privacidade. Ao prosseguir com a navegação, você expressa seu consentimento com tais termos. Politica de Privacidade