Geração superprotegida e o adiamento da maturidade. Como resolver?

Em meio a uma sociedade em constante transformação, a educação familiar enfrenta desafios inéditos. O superprotegismo e o adiamento da maturi

Publicado 21/11/2023 às 12:41 por Viviane Grecilo Torres

Continua após a publicidade..

Muitos pais de hoje, envolvidos em suas carreiras e conquistas pessoais, parecem estar despreparados para o desafio da paternidade. Diante da responsabilidade de educar, alguns se veem como vítimas, expressando um desamparo que, involuntariamente, estendem aos seus filhos.

A nova geração de pais, imersa na imaturidade, tende a superproteger seus filhos. Esta sobre proteção surge do desejo de evitar qualquer tipo de sofrimento aos pequenos, como se a vida não comportasse suas próprias adversidades e aprendizados.

A era dos “Pokémons” e “Tamagotchis” humanos

O excesso de zelo parental está criando crianças que se assemelham a bichinhos virtuais, dependentes de atenção constante e estímulos externos, como tablets, para executar ações simples do dia a dia, como comer.

Continua após a publicidade..

A cultura contemporânea é marcada por uma desconstrução da verdade absoluta e um questionamento das estruturas tradicionais, o que inclui a percepção de felicidade e sofrimento. Isso afeta diretamente a maneira como os pais enxergam a educação dos filhos e como preparam seus descendentes para enfrentar a vida.

As consequências da educação “Vida Fácil”

Quando a educação se baseia na premissa de que ser feliz é não sofrer, cria-se uma geração que amadurece tardiamente, incapaz de lidar com frustrações e responsabilidades inerentes à vida adulta.

Contrariamente ao que muitos acreditam, a felicidade não reside na ausência de dor ou na posse material, mas sim no desenvolvimento do ser e na capacidade de servir e amar o outro.

O verdadeiro objetivo da educação transcende a aquisição de conhecimentos técnicos. É essencial que os jovens desenvolvam maturidade existencial, força de vontade e a coragem para enfrentar desafios.

Os pais precisam reavaliar suas posturas e preparar os filhos não somente para o sucesso acadêmico e profissional, mas, sobretudo, para o crescimento pessoal e a formação de indivíduos resilientes e empáticos.

Assim, diante de um futuro incerto, crianças e jovens estarão mais aptos a se adaptar, evoluir e encontrar o verdadeiro significado para suas existências.

O desafio da resiliência e autonomia na educação das crianças

woman in gray long sleeve shirt sitting beside boy in orange crew neck shirt

Em meio a atmosfera de superproteção e vitimismo que se instala na educação moderna, um aspecto fundamental tem sido deixado de lado: a resiliência e a autonomia das crianças. A capacidade de lidar com frustrações e desafios é essencial para o desenvolvimento saudável e para a formação de adultos capazes de se adaptar às constantes mudanças do mundo.

Os pais de hoje, muitas vezes, se veem numa encruzilhada entre o desejo de poupar seus filhos de sofrimentos e a necessidade de prepará-los para as realidades da vida. A verdade é que a superproteção pode ser tão danosa quanto a negligência, criando indivíduos que não sabem lidar com a menor das adversidades. Veja como é simples este processo:

  • Ensinar a enfrentar desafios: A criança deve ser estimulada a tentar resolver seus pequenos problemas, com o suporte dos pais, mas não a substituição deles na resolução.
  • Fomentar a independência: Tarefas adequadas à idade, como arrumar o próprio quarto ou preparar um lanche simples, são essenciais para o desenvolvimento da autonomia.
  • Valorizar o esforço: Mais do que celebrar as vitórias, é importante reconhecer o esforço e dedicação, mesmo que o resultado não seja o esperado.

A resiliência não é inata, mas sim construída. Cabe aos pais e educadores pavimentar o caminho, não com facilidades, mas com ferramentas que permitam às crianças enfrentar e superar os obstáculos que encontrarão pela vida.

O papel da educação emocional na formação de personalidades integras

man in red and white polo shirt holding yellow book

Não podemos falar de educação sem tocar na educação emocional. Este é um terreno muitas vezes esquecido nas escolas tradicionais, mas de suma importância para o desenvolvimento de personalidades íntegras e a formação de um ser humano completo.

A desconstrução da verdade e dos valores tradicionais deixou um vácuo nos corações e mentes das novas gerações. Porém, mais do que nunca, é necessário incutir nas crianças a capacidade de reconhecer e lidar com suas emoções, algo que vai muito além do intelecto.

  • Reconhecimento das emoções: Crianças devem ser ensinadas desde cedo a identificar suas emoções e expressá-las de maneira saudável. Isso as ajuda a compreender seus próprios sentimentos e os dos outros.
  • Gerenciamento do estresse: Ferramentas como a meditação e técnicas de respiração podem ser introduzidas para ajudar na gestão do estresse e ansiedade.
  • Desenvolvimento da empatia: Através de atividades em grupo e discussões, pode-se ensinar as crianças a se colocarem no lugar do outro, valorizando assim a empatia e a cooperação.

Ademais, o papel da família é insubstituível na educação emocional, pois é no seio familiar que as primeiras interações e aprendizados emocionais acontecem. Pais emocionalmente inteligentes são modelos poderosos para seus filhos, preparando-os para serem adultos emocionalmente estáveis e maduros.

A educação emocional é a pedra angular para a construção de uma sociedade mais consciente, com indivíduos capazes de construir relacionamentos saudáveis e enfrentar os desafios com equilíbrio e sabedoria.

Voltar ao topo

Posts relacionados

Empregamos cookies indispensáveis e tecnologias correlatas, conforme nossa Política de Privacidade. Ao prosseguir com a navegação, você expressa seu consentimento com tais termos. Politica de Privacidade