Telescópio espacial Hubble: atualizações e revelações para os amantes do espaço!

Em uma viagem através do cosmos, o Telescópio Espacial Hubble continua a desenterrar maravilhas escondidas e oferecer insights épicos

Publicado 25/09/2023 às 19:26 por Alex Torres

Continua após a publicidade..

Ao longo das décadas, o Telescópio Espacial Hubble tem desempenhado um papel vital em nossa exploração do universo, auxiliando notavelmente na descoberta de galáxias distantes. Recentemente, uma equipe internacional de astrônomos do Cosmic Dawn Center em Copenhague fez uso do Hubble para estudar uma galáxia vista há quase 11 bilhões de anos. No entanto, este estudo difere dos convencionais, pois não se baseou na luz emitida pela galáxia, mas sim na luz que ela absorveu.

O mistério da galáxia absorvente

O objeto de estudo aqui é uma galáxia absorvente. Quando localizada na linha de visão de uma galáxia mais distante, essa galáxia absorvente se alimenta da luz que passa por ela, graças às partículas de gás e poeira que contém. Mas a absorção de luz não é uniforme para todos os comprimentos de onda, e é aqui que os astrônomos entram. Eles usam essa diferença na absorção de luz para descobrir várias características da galáxia absorvente.

Nesse caso, a luz de fundo brilhante vem de um quasar, um núcleo galáctico intensamente luminoso. No entanto, os quasares são tão brilhantes que podem ofuscar outras fontes de luz, dificultando a obtenção de informações sobre qualquer galáxia absorvente no primeiro plano.

Continua após a publicidade..

John Fynbo, professor de astronomia no Cosmic Dawn Center em Copenhague, explica que para encontrar galáxias absorventes, eles procuram quasares particularmente vermelhos. Isso ocorre porque a poeira estelar tende a absorver a luz azul, mas não a vermelha. Se houver uma galáxia empoeirada no primeiro plano, o quasar ficará avermelhado.

Um olhar inspirador na galáxia NGC 3156

starry night sky over the starry night

 

Além de estudar as galáxias absorventes, o Hubble também tem proporcionado imagens impressionantes e novos estudos científicos. Uma dessas maravilhas é a visão sonhadora da galáxia NGC 3156. Localizada a cerca de 73 milhões de anos-luz da Terra na constelação de Sextans, a NGC 3156 é uma galáxia lenticular com duas visíveis fileiras de poeira marrom-avermelhada cruzando o disco da galáxia.

A NGC 3156 tem sido estudada de várias maneiras ao longo dos anos. Os cientistas têm usado os dados do Hubble para determinar que a NGC 3156 tem uma porcentagem maior do que a média de estrelas devoradas por seu buraco negro super massivo em comparação com suas contra partes.

Dueto galáctico peculiar

Com a ajuda da Câmera Avançada para Pesquisas do Hubble (ACS), os cientistas observaram o Arp 107, um objeto celestial que inclui um par de galáxias colidindo. A maior galáxia, uma galáxia Seyfert muito energética, está colidindo com uma galáxia companheira muito menor. Essa interação incrível resultou em uma “ponte” de poeira e gás. Essas galáxias colidindo estão localizadas a cerca de 465 milhões de anos-luz da Terra.

O Arp 107 faz parte de um catálogo de 338 galáxias incomuns chamado Atlas de Galáxias Peculiares. Como o Arp 107, muitos membros deste catálogo foram registrados pelo Hubble como parte de um programa de observação contínuo.

O Telescópio Espacial Hubble continua a nos surpreender com imagens magníficas e descobertas notáveis. Recentemente, o telescópio espacial espiou uma estrela bebê massiva e um belo aglomerado de estrelas. O Hubble comemorou seu 33º ano no espaço em abril passado.

A Contribuição do Hubble para a Astrofísica Exoplanetária

Nebula

O Telescópio Espacial Hubble não apenas revolucionou nossa compreensão de galáxias e quasares, mas também teve um impacto significativo na astrofísica exoplanetária. Utilizando métodos como a técnica de trânsito, onde a diminuição temporária do brilho de uma estrela é medida quando um planeta passa à sua frente, o Hubble forneceu dados cruciais para a caracterização de exoplanetas. Informações sobre a composição atmosférica, clima e até mesmo a possibilidade de habitabilidade em outros planetas foram obtidas graças às observações deste telescópio. Pesquisadores utilizam essas informações para entender melhor as condições necessárias para a vida e como os sistemas planetários se formam e evoluem.

O Futuro da Observação Espacial após o Hubble

Com três décadas de serviço, o Hubble está chegando ao fim de sua vida útil. Entretanto, sua herança permanecerá através dos avanços em tecnologia de telescópios e a chegada de novas missões espaciais. O Telescópio Espacial James Webb, planejado para ser lançado em breve, promete ser o sucessor natural do Hubble. Equipado com instrumentos mais modernos e uma resolução ainda maior, o James Webb pretende levar nossa compreensão do universo a novos patamares. Ele será fundamental na busca por formas de vida em outros planetas, no estudo da matéria escura, e na observação de fenômenos ainda mais distantes e antigos no universo. A troca de bastão entre esses dois gigantes da observação espacial marca uma nova era na astronomia e continua a alimentar as esperanças e curiosidades de cientistas e entusiastas do espaço.

Empregamos cookies indispensáveis e tecnologias correlatas, conforme nossa Política de Privacidade. Ao prosseguir com a navegação, você expressa seu consentimento com tais termos. Politica de Privacidade