Erros com medicamentos para TDAH em crianças quadruplicam em 20 anos

Um estudo recente indicou que os erros de medicação entre crianças americanas que sofrem de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

Publicado 28/09/2023 às 15:28 por Alex Torres

Continua após a publicidade..

O co-autor do estudo, Dr. Gary Smith, diretor do Centro de Pesquisa e Política de Lesões do Nationwide Children’s Hospital em Columbus, Ohio, ressalta a necessidade de atenção focada na prevenção desses erros. Segundo ele, há uma necessidade urgente de aumentar a educação dos pacientes e cuidadores e desenvolver sistemas de administração e acompanhamento de medicamentos à prova de crianças. Ele também sugere a transição de frascos de pílulas para embalagens de dose unitária, que podem ajudar a recordar se um medicamento já foi tomado ou administrado.

Erros de dosagem e administração equivocada

O estudo investigou os erros relatados através de Centros de Controle de Intoxicações entre os anos 2000 a 2021 e descobriu que 54% desses casos ocorreram quando alguém foi dado ou tomou o medicamento duas vezes por acidente. Foram relatados um total de 124.383 erros de medicação para o TDAH, com um aumento geral de 299%.

Em aproximadamente 13% dos casos, o medicamento de outra pessoa foi tomado ou administrado por acidente; em outro conjunto de 13% dos casos, o medicamento errado foi tomado ou administrado. A maioria desses incidentes, cerca de 93%, ocorreu em casa, e em dois terços dos casos, envolveu crianças de 6 a 12 anos de idade.

Continua após a publicidade..

Consequências dos erros de medicação

Os efeitos desses erros podem ser graves: agitação, tremores, convulsões e mudanças no estado mental. Para crianças menores de 6 anos, o risco de experimentar um problema médico grave é o dobro em comparação com crianças mais velhas. Elas também têm três vezes mais probabilidade de serem admitidas em um centro de saúde.

Quando os erros não ocorreram em casa, a escola foi o lugar mais provável, com 5% dos eventos. O número total de erros de medicação relatados foi de mais de 87.000, e as crianças foram vítimas de 76% desses erros.

Prevenção de erros de medicação

pink and white medication pill

De acordo com o Dr. Andrew Adesman, chefe da divisão de pediatria, desenvolvimento e pediatria comportamental no Long Island Jewish Medical Center – Nova York, é essencial que os pacientes sigam as instruções de seus fornecedores de cuidados de saúde, mas também é importante ver como os erros ocorrem.

Ele sugere o uso de aplicações para registrar a administração do medicamento e aconselha os pais a manterem um registro dos medicamentos que os filhos tomam, incluindo a dose e a frequência. Além disso, os médicos devem considerar o uso de técnicas de feedback para garantir a compreensão, e o pessoal da escola deve seguir as instruções dadas nos formulários de medicamentos.

Este estudo analisou apenas os medicamentos para o TDAH, entretanto, a educação do paciente e do cuidador, bem como o desenvolvimento de sistemas melhorados de dispensação e acompanhamento de medicamentos à prova de crianças, provavelmente teriam um impacto positivo na segurança da medicação para outros medicamentos administrados a crianças.

Tecnologia na Prevenção de Erros de Medicação

Uma ferramenta que tem ganhado espaço na prevenção de erros de medicação é a tecnologia. Aplicativos móveis que alertam sobre o horário de tomar medicamentos, sistemas automatizados de dispensação nas farmácias e até mesmo pulseiras eletrônicas que contêm informações médicas são recursos que contribuem para minimizar erros. Dr. Ana Silva, especialista em tecnologia médica, sugere que o uso de tais ferramentas pode reduzir pela metade os casos de administração equivocada de medicamentos. “É uma segurança a mais, especialmente para pacientes com múltiplas prescrições e para aqueles sob os cuidados de várias pessoas”, afirma ela.

Treinamento e Capacitação dos Profissionais de Saúde

O papel dos profissionais de saúde é fundamental na prevenção de erros de medicação. Segundo a enfermeira Carla Oliveira, especialista em segurança do paciente, o treinamento contínuo e a atualização profissional são essenciais. “É fundamental que haja uma comunicação eficiente entre médicos, enfermeiros e farmacêuticos para garantir que a medicação correta seja administrada da forma correta”, destaca. Programas de treinamento que enfocam procedimentos padrão para a administração de medicamentos, como a verificação dupla das prescrições e das doses, podem ser altamente eficazes na redução de erros.

Fontes: Gary Smith, MD, DrPH, diretor, Centro de Pesquisa e Políticas de Lesões, Nationwide Children’s Hospital, Columbus, Ohio; Andrew Adesman, MD, chefe, divisão de pediatria—desenvolvimento e pediatria comportamental, Long Island Jewish Medical Center, Nova York; Pediatrics.
Data: 18 de setembro, de 2023.

Empregamos cookies indispensáveis e tecnologias correlatas, conforme nossa Política de Privacidade. Ao prosseguir com a navegação, você expressa seu consentimento com tais termos. Politica de Privacidade